• Frete Grátis acima de R$ 299 para regiões Sul e Sudeste, demais regiões R$ 399
0
Seu carrinho está vazio

Dicas

Terrible two: como lidar com a adolescência dos bebês?

Publicado em 31.01.2024 |
Visualizações
10 visualizações

Os bebês passam por diversas fases. Quase todas, notáveis. Uma das mais complicadas para os responsáveis é o terrible two.

A expressão pode parecer estranha no começo, mas o momento é bastante típico, principalmente quando acontecem as birras.

Ficou com o cabelo em pé só de pensar nisso, não é? No entanto, o que é desafio pode se tornar oportunidade para educá-los.

Por exemplo, ao aplicar um diálogo amigável e praticar o exemplo, pelo qual eles mais aprendem nas fases iniciais da vida. 

Então, chegou a hora de trabalhar a sua paciência e lidar com essas situações tão importantes para o desenvolvimento deles.

Veja o que é terrible two e como lidar com ele.

O que é terrible two

mae questionando o que e o terrible two

Para saber o que é terrible two, a primeira coisa é traduzirmos a expressão: terríveis dois anos. No Brasil, os pediatras estão falando em “adolescência dos bebês”.

E, para quem convive com os pequenos, o que temos é uma fase desafiadora da primeira infância.

Tudo isso tem explicação: é o momento que eles começam a se identificar como indivíduos.

Ou seja, passam a expressar com mais veracidade suas opiniões e emoções.

Sim, tem a ver com tomadas de decisão e escolhas! Logo, são situações representativas para eles.

O lado não tão agradável é que, por estarem compreendendo seus desejos, os pequenos não aceitam ser contrariados.

É daí que vem ações típicas da birra, tais quais:

  • Espernear,
  • Choramingar,
  • Bater a cabeça,
  • Jogar-se no chão,
  • Arquear as costas e
  • Gritar.

Em casos mais extremo, essas situações podem parecer verdadeiras explosões de rebeldia.

A boa notícia é que existem dicas valiosas para lidar com essa autonomia dos bebês.

É sobre isso que vamos falar no decorrer do texto, continue lendo.

Quando começa o terrible two

Aproveitando a oportunidade, temos outro termo estrangeiro que é interessante ser conhecido: toddlers.

Ele indica a idade que vai do 1º aos 3 anos. Ou seja, quando não são mais bebês, mas ainda não se adequam no grupo das crianças independentes.

Logo, quase sempre a fase do terrible two acontece com os toddlers. E, durante esses anos, as principais características apresentadas por eles são:

  • Curiosidade,
  • Muita energia,
  • Falta de capacidade de identificar o perigo e
  • Reação exagerada ao serem contrariados.

Nesse último caso, obviamente, temos algo totalmente relacionado ao assunto deste blog.

Esse exagero comum em situações adversas é representado pelas birras.

E o papel dos responsáveis é auxiliá-los para conseguirem expressar suas emoções de forma mais leve.

Quanto tempo dura o terrible two

Ainda que temos a média de idade dos toddlers (1 a 3 anos), a verdade é que não existe um tempo de validade para esses terríveis dois anos, o terrible two.

Respeitando as individualidades, o que se vê é que pode ser uma fase rápida ou mais duradoura.

O mais comum é que dure um ano ou um pouco mais. Em raros casos, estende-se até os 4 anos iniciais da vida deles.

Mas, a partir disso, novos desafios surgem, já que as crianças (ou seriam bebês?) começam a testar os próprios limites.

Como lidar com o terrible two

criança fazendo birra

Apesar de muitos pais se culparem, a verdade é que as mais variadas reações dos pequenos não indicam que são mimados.

Trata-se de um comportamento natural, parte do desenvolvimento. Por outro lado, tem formas de lidar com o terrible two, veja algumas!

Organize a rotina

Existem alguns motivos que influenciam os pequenos a ficarem irritados. Por exemplo, quando estão cansados, frustrados ou com fome.

Então, uma rotina organizada previne esse tipo de estresse, especialmente, quando estão começando a se conhecer.

Além disso, oferecer carinho é sempre viável. Muitas vezes, pegar no colo ou confortar vai ter um resultado tão positivo quanto simplesmente enfrentá-los durante uma birra.

É um efeito tranquilizador que só quem é próximo do bebê vai poder oferecer.

Crie um ambiente calmo

Se a rotina dos pais, avós ou responsáveis forem muito turbulentas, há uma maior chance de as crianças desempenharem papéis mais dramáticos.

Então, evite muitos programas em um curto espaço de tempo e reduza o estresse sempre que for possível.

Essa ideia também vale para quando eles estão passando pela birra.

A calma, tanto na conversa quanto na atitude, pode ser mais eficiente do que impor a voz.

Portanto, é importante aprender a administrar a situação com maturidade.

Entenda o significado

Cada atitude deles tem um significado, ainda que os adultos não concordem ou compreendam.

Uma boa ideia é ver que birras e outras ações nada mais são do que formas de se comunicar. Ao encontrar essas causas, fica mais fácil auxiliá-los.

Valide os sentimentos

Após entender o significado, validar os sentimentos é outra dica fundamental. As crianças precisam de apoio e reconhecimento quando apresentam suas emoções.

Descubra maneiras de estar do lado delas, até mesmo para ajudá-las a nomear tais sensações.

Se você entender realmente os sentimentos dela, com certeza, tem mais chances de ter sucesso nesse momento. Ouça e fale sobre a situação.

Ofereça alternativas e esteja sempre à disposição para ajudá-la. A distração pode ser uma das estratégias.

Defina limites

O aconchego e a compreensão são indicados. Porém, não significa que não deve haver limites e regras para tais comportamentos.

É importante ser firme, quando for apropriado. Pedir ajuda para a roupa azul ou vermelha é uma forma de limitar a escolha, por exemplo.

Apesar de parecer ser a estratégia mais dura, considere que é totalmente possível a partir de ferramentas como o diálogo.

Esse sempre será um dos melhores caminhos para resolver conflitos e evitar a ideia de “bater de frente”. Mostre-se compreensível.

Terrible two: incentive-os a aprender sobre sentimentos

pais impondo limites ao filho

Além do diálogo, falado acima, outra ferramenta fundamental para investir no conhecimento sobre os sentimentos são os livros.

Entre as vantagens da leitura infantil, traz a ideia de falar de algo que se passa na vida deles, como essa descoberta por emoções.

Para essa faixa etária, o mercado editorial permite uma série de técnicas diferentes para atrair os pequenos.

Por exemplo, livros musicais, rimas com dedoches, aqueles para banho e assim por diante.

As orientações trazidas neles serão importantes para o autocontrole.

Mais uma ideia que faz muito sentido é do acompanhamento pediátrico.

Durante as primeiras fases da vida, os bebês vão apresentar comportamentos que podem mudar ao longo do tempo.

Por isso, é sempre importante ter a opinião de um especialista do lado.

Do lado dos responsáveis, o mesmo. O auxílio na educação dos bebês exige muita disciplina.

E nem sempre é preciso enfrentar tudo isso por conta própria.

A visita em psicólogos e terapeutas auxilia muito nesse autoconhecimento.

Aceite os cookies e tenha uma melhor experiência em nosso site, consulte nossa Política de Privacidade.